O PESA (Programa de Educação Socioambiental) é resultado de parcerias que o MAI estabeleceu desde 2010 com o PESET (Parque Estadual da Serra da Tiririca), com Fundação Municipal de Educação de Niterói, por meio da Escola Municipal Professor Marcos Waldemar de Freitas Reis, e com o GEIA (Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente da UERJ-FFP). É um programa por qual todas as turmas de quinto ano do Ensino Fundamental da escola parceira participam. O PESA visa abordar junto aos alunos a problemática referente às questões das comunidades tradicionais da região, assim como analisar as agressões e parcas ações de conservação dos biomas costeiros de Itaipu. O programa é dividido em etapas que são assim desenvolvidas:

Etapa 1 – Impressões iniciais – A primeira etapa se configura como uma preparação para a realização das atividades durante o ano letivo. O encontro acontece em sala de aula e realizam-se uma pesquisa sobre a percepção de meio ambiente dos alunos participantes do programa, por meio de mapas mentais, e uma pequena exposição fotográfica com imagens de anos anteriores do programa;

Etapa 2 – Observando o bioma em que vivemos – Nesta etapa, os alunos aprendem a manusear bússolas, mapas, e outros instrumentos cartográficos, além de participarem de uma trilha interpretativa ao Morro das Andorinhas. Tal ação faz parte da monografia da ex-aluna do curso de Ciências Biológicas da UERJ/FFP Mariana Macêdo Barcellos, intitulada “Elaboração da Trilha Interpretativa no Morro das Andorinhas: Uma Proposta de Educação Ambiental no Parque Estadual da Serra da Tiririca, RJ, Brasil”;

Etapa 3 – Preservando a tradição – Em um primeiro momento desta etapa, os alunos são estimulados, dentro de sala de aula, a produzirem perguntas aos moradores da Comunidade tradicional do Morro das Andorinhas, tendo em vista suas peculiares características. Tais perguntas são agrupadas, e, em um segundo momento, é realizada uma entrevista com representantes da citada comunidade, sendo esta ação realizada no Morro das Andorinhas;

Etapa 4 – Reconstruindo o passado e planejando o futuro – Tomando como ponto de partida os trabalhos realizados anteriormente, os depoimentos e relatos feitos pelos representantes comunitários, e as informações sobre as ocupações pré-históricas e aspectos geográficos e históricos de Itaipu, os alunos participantes farão, através de desenhos, a reconstrução do cenário original daquela localidade no espaço temporal escolhido por cada participante. A técnica utilizada para elaboração destes desenhos será definida pela professora de artes da escola;

Etapa 5 – O papel do MAI na história da Região – Nessa etapa, os participantes terão o primeiro contato com o MAI. Na passagem pelo museu, os alunos receberão informações sobre o seu histórico, sua importância em âmbito regional e sua posição no contexto social local. O maior objetivo dessa etapa é estreitar o contato dos alunos com o museu e os testemunhos da história dos povos que habitaram a região, conforme abordado na etapa anterior, em particular os que ocupavam o entorno do antigo recolhimento de mulheres (atual MAI);

Etapa 6 – Conhecendo os biomas costeiros – O objetivo dessa Etapa é proporcionar aos participantes uma percepção sobre os diferentes biomas da região de Itaipu. Para tal, realizam-se visitas mediadas à praia, à restinga, à laguna e ao manguezal da região, ao mesmo tempo em que os alunos fazem um relatório fotográfico dos locais visitados;

Etapa 7 – Conhecendo a biodiversidade do bioma costeiro – Momento mais relevante do projeto devido às inúmeras incursões a campo a serem realizadas. Essa etapa proporciona aos alunos participantes contato com os agentes sociais envolvidos diretamente nas atividades pesqueiras realizadas pela Comunidade de Pescadores de Itaipu, com os demais usuários do ambiente natural trabalhado, além de oferecer a possibilidade dos alunos conhecerem diferentes espécies de peixes e crustáceos que são capturados e analisados durante as atividades;

Etapa 8 – Encerramento – Etapa destinada à apresentação dos resultados do programa para as instituições envolvidas (Escola Municipal Professor Marcos Waldemar de Freitas Reis, GEIA – UERJ/FFP (Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente) e MAI), além de ser um momento de confraternização na praia entre alunos e professores envolvidos nas atividades.